Grande Porto: Aposta na agricultura biológica

Grande Porto: Aposta na agricultura biológica

Data da publicação: 13/08/2018

Empresa: LIPOR- Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto
Cidades de implementação: Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Valongo e Vila do Conde
Total de habitantes da cidade: Aproximadamente 1 milhão de habitantes
Área de atuação do projeto: Compostagem caseira, sensibilização, agricultura biológica
Montante investido: Aproximadamente 17.000€
Financiador: POSEUR – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos

O projeto

Problema identificado: Aproveitamento diminuto da capacidade de produção de agricultura biológica para consumo próprio e tendência de consumismo e desperdício nos oito municípios abrangidos pela Lipor.

Solução encontrada: O estabelecimento de uma rede de parcerias junto da comunidade com a finalidade de promover a prática de agricultura biológica em 2003, facilitou a criação do projeto “Horta à Porta – Hortas Biológicas da Região do Porto”. O projeto visa promover a qualidade de vida da população, através de boas práticas agrícolas, ambientais e sociais. Destinado à população dos oito municípios, o projeto é promovido pela Lipor em parceria com as câmaras municipais, juntas de freguesia, empresas e associações. Após a frequência de um curso de compostagem e agricultura biológica, a Lipor fornece um talhão para cultivo e um compostor a cada cidadão. A iniciativa é ainda composta por intervenções mensais de monitorização que têm como objetivo avaliar o estado de utilização dos talhões, assim como, o número de talhões ativos.

Resultados: De 2004 a 2016 foram implementadas 50 hortas biológicas, perfazendo um total de 111.224 m2 e 1651 talhões cultivados em modo biológico.

Impactes positivos para:

A cidade e região: A aplicação de iniciativas como a “Horta à Porta” fomenta a disseminação de hábitos saudáveis e promove a sensibilização dos munícipes para questões ambientais que estão ao seu alcance. A participação interessada dos cidadãos beneficiou a redução de produção de resíduos, os seus impactes ambientais e o custo associado ao seu tratamento. O aumento da área de cultivo em modo biológico e a diminuição do uso de fertilizantes químicos nas produções agrícolas induz também diversas vantagens na região, nomeadamente a expansão de espaços verdes e o consequente sequestro de CO2.

Projetos futuros: A disseminação do conhecimento adquirido no projeto reforçou a ligação da Lipor à população. Dar continuidade ao projeto “Horta à Porta” pode passar por avaliar a possibilidade de cultivo em hortas verticais e/ou em coberturas verdes.

Influência na transformação da cidade

Com a criação de cada vez mais hortas biológicas estabelecem-se mais e numerosos espaços verdes que facilitam a reciclagem de gases de efeito de estufa, em particular do dióxido de carbono. A prática agrícola está relacionada a impactes significativos ao nível terapêutico e fomenta a criação de hábitos saudáveis, aumentando o bem-estar da população e a qualidade de vida. A primazia por optar pela agricultura biológica, com recurso a compostores e supressão do uso de fertilizantes sintéticos, influencia a eficácia e a necessidade de gestão de resíduos, nomeadamente orgânicos, que são utilizados na compostagem.

Obstáculos encontrados e como foram ultrapassados

O curso de compostagem e agricultura biológica apesar de gratuito era de frequência obrigatória, o que se revelou um obstáculo. As horas de formação foram diminuídas, mas o regime obrigatório manteve-se. Outros obstáculos que também se resolveram foram: a localização de habitação fora da área de influência da Lipor, a dificuldade de cedência do terreno e a implementação da horta.

Fatores de sucesso

A oferta de formação e apoio técnico aos cidadãos, a cedência de terrenos agrícolas por parte de parceiros, o empréstimo gratuito de talhões para cultivo e de abrigo para alfaias agrícolas contribuíram para o sucesso do projeto junto das comunidades.

Lições aprendidas

Mais de 90% dos participantes mantêm o compostor ativo, o que demostra o empenho da população. A lista de espera tem cerca de 3.000 interessados inscritos. Face à recetividade e à necessidade de terrenos para implementação do projeto, está em avaliação a viabilidade da implementação futura de hortas verticais e de coberturas verdes.

Indicadores de desempenho (KPI) definidos

Os indicadores de desempenho (KPI) definidos no projeto “Horta à Porta” foram: o número de novas hortas implementadas, a percentagem de talhões ativos em Hortas Gestão Lipor, as monitorizações anuais das hortas e a área de cultivo em agricultura biológica.

Informação adicional

http://www.lipor.pt/pt/educacao-ambiental/horta-da-formiga/agricultura-biologica/horta-a-porta/

2018-08-13T13:15:48+00:00